Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 13/11/2019 16:01:43

Adolescentes viveram o olhar dos atletas da Seleção Brasileira de Vôlei Sentado em visita ao Centro de Treinamento

 

Um total de 19 jovens que cumprem medida socioeducativa de internação nos centros de atendimento localizados no ABCD paulista e também na zona leste de São Paulo, pertencentes ao Polo Regional ABCD, passaram por uma vivência especial na última terça-feira (12 de novembro) com os atletas paraolímpicos do Sesi-Suzano, integrantes da Seleção Brasileira de Vôlei Sentado. No grupo, havia um jovem com deficiência que utiliza prótese na perna.

O objetivo foi ampliar o olhar inclusivo dos jovens, ao vivenciarem a modalidade e a experiência dos atletas. A atividade aconteceu no Centro de Treinamento (CT) Paraolímpico Brasileiro, na zona sul de São Paulo.

Participaram do encontro adolescentes dos CASAs São Bernardo I e II, de São Bernardo do Campos; Diadema; Santo André I e II, de Santo André; Encosta Norte e Guaianazes II, da zona lesta da capital. Os profissionais de Educação Física desses centros socioeducativos também compareceram.

Os jovens foram recebidos pelos atletas do Sesi-Suzano, a maioria deles integrantes da Seleção Brasileira de Vôlei Sentado, junto com o técnico, Célio Cesar Mediato. Os esportistas compartilharam suas histórias de vida, contaram como adquiriram a deficiência e como entraram no esporte. Após o bate-papo, os adolescentes vivenciaram a modalidade esportiva com a equipe.

Um dos participantes foi Henrique (nome fictício), de 16 anos, que é

deficiente físico e cumpre medida socioeducativa de internação no CASA Diadema. Ele teve uma parte da perna amputada quando criança e, desde então, utiliza prótese.

“Ele teve uma atenção especial dos atletas e recebeu o convite para participar das atividades do Centro de Treinamento quando for desinternado”, disse a profissional de Educação Física do CASA Diadema, Talita Dornellas Moreira Jorge, que acompanhou toda a atividade pedagógica.

“O Henrique é um garoto de muita atitude, participa de todas as atividades físicas com muita tranquilidade”, explicou a coordenadora pedagógica do CASA Diadema, Adriana Souza.

De acordo com o diretor do Polo ABCD, Osmar Pereira Barreto, os adolescentes conheceram um espaço de inclusão e compreenderam o poder da superação diante circunstâncias de deficiências diversas. “Foi uma experiência impactante que ensinou lições importantes de superação e motivação”, disse Barreto.

A ação foi uma inciativa da Comissão de Direitos Humanos e Diversidade do Polo Regional ABCD, por meio do projeto de Sensibilização às Necessidades Especiais, que visa promover discussões com os jovens sobre as deficiências físicas e intelectuais, os direitos desses cidadãos, superação, dificuldades e inclusões por meio do esporte no decorrer do desenvolvimento da medida socioeducativa.