Adolescente: Sujeito Histórico-Social.

Adolescente: Sujeito Histórico-Social.

Por Assessoria de Imprensa, em 05/11/08 17:08

Para tentar entender o adolescente é preciso que se olhe para ele de perspectivas bem mais amplas que as tradicionais, diz Daniel Becker no livro O que é Adolescência (Editora Brasiliense, de1994). Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, adolescência é o período de vida que dura entre aproximadamente 12 e 18 anos de idade. Porém, não há um critério exato e rígido que determina esse período.

A adolescência pode ser considerada como invenção social ou como um fenômeno moderno e cultural, que ainda é bastante discutida e estudada por pesquisadores de diversas áreas. Por este motivo, há a necessidade de estudos e conhecimentos dos profissionais que lidam com adolescentes, exatamente pela complexidade e por polêmicas importantes que são apresentadas pelo referido fenômeno.

Enquanto sujeito sócio-histórico, o adolescente tanto influencia como é influenciado pelo contexto em que vive: a partir da criação e recriação da cultura e das relações sociais é que o adolescente cria e recria sua identidade e a si mesmo. Portanto, adolescer é diferente, dependendo do contexto em que a pessoa adolescente está inserida, dos fatores históricos e das condições concretas de cada um.

Embora o adolescente seja produto e produtor da história, esta história não é feita tão somente em condições escolhidas por ele, mas também a partir de condições que lhe são dadas, que o antecedem e que o ultrapassam.

Em nosso país, a desigualdade social se reflete profundamente na adolescência das camadas populares, limitando as perspectivas e deixando poucas escolhas para o futuro.

Os adolescentes que são "empurrados" precocemente para o mundo do trabalho, servindo de auxílio financeiro para suas famílias podem ou não vivenciar fases e características da adolescência, apresentadas por algumas teorias, tais como, crise psíquica, crise de identidade ou depressão. Deste modo, a adolescência pode adquirir formas muito diferentes. A adolescência é uma construção social que se modifica e é modificada, concebida pelo meio social e mantida pelo adolescente que dialeticamente se constitui e é constituído como tal, conforme Contardo Calligaris, em seu livro A Adolescência (Publifolha, 2000): "A adolescência é em síntese: o prisma pelo qual os adultos olham os adolescentes e pelo qual os próprios adolescentes se contemplam. Ela é uma das formações culturais mais poderosas de nossa época".

Com a influência maciça dos meios de comunicação, a juventude das grandes cidades transformou-se num excelente e gigantesco mercado de consumo para numerosos produtos, alguns criados com sua divulgação voltados unicamente para os adolescentes que se moldam conforme a "ditadura do sistema".
Compreende-se que o processo de constituição da identidade na adolescência se faz a partir de várias identificações, escolhas e oportunidades, conseqüentemente, é um processo social interativo e dialético que, para ser melhor apreendido, exige a problematização sobre a elaboração atual dessa identidade, considerando as diferentes áreas do conhecimento e dos constructos teóricos disponíveis.

Almunita dos Santos F. Pereira é coordenadora pedagógica e atua no Centro de Pesquisa e Documentação da Escola para Formação e Capacitação Profissional da Fundação CASA. É Mestre em Educação:Psicologia da Educação pela PUC - SP e atualmente desenvolve projeto para o doutorado.